2.28.2017

Cerejeiras em Flor (Sakura) em Seu Corpo - Tatuagem - Grande Almanaque Mauj

A primavera vem chegando ao Japão...
em breve teremos as cerejeiras a florir por todo o arquipélago,
criando um manto delicado de pétalas rosas.



Lindo, né?
Encantador o detalhe das pétalas de sakura (cerejeiras em flor) ao vento...
A tatuagem reproduziu cada passo da florada das cerejeiras no Japão.

Como se diz "tatuagem", em japonês? 
Irezumi, 入れ墨

Ah, eu não tenho nenhuma tatuagem.
Acho lindo...em você.

2.27.2017

A Coca Cola Sabor... Bisteca de Porco ao Curry! Grande Almanaque Mauj

Um rico sabor de bisteca de porco frita, banhada em um curry espesso (katsu kare).
Delícia!
Com coca-cola vai bem!

Prato encontrado em todo o Japão, muito popular, o Katsu Kare Raisu é especialidade da cidade de Kanazawa (província de Ishikawa).

Então um japonês doido (pleonasmo) lá da terra do tal prato resolveu juntar todos estes sabores... e engarrafar!


Fabricado pela japonesa Tombow Beverage Co., a Kanazawa Kare Kola é um refrigerante de cola sabor
bisteca de porco (tonkatsu) empanada ao molho curry (kare).
Vendida como souvenir aos turistas de Ishikawa.

A bisteca (tonkatsu) em si é deliciosa, o prato em si é saboroso.
Mas curry, porco frito, coca, repolho, tudo misturado e líquido, gelado em uma garrafinha...

Enfim, coisas de japonês e vale apenas pela curiosidade, tá?
Melhor como garrafa colecionável, daquelas que você põe na estante e jamais abre para tomar o que tem dentro!


Deve servir também como laxante.

Se quiser experimentar o sabor, bata no liquidificador coca-cola com um prato completo de katsu kare, coa e beba gelado. Argh!

E eu, corajosamente, tomei duas garrafinhas!
(mas fora certo exagero meu, no texto...
o sabor que predomina é o de curry).

2.24.2017

Chocolates do Hotel Okura - Grande Almanaque Mauj




Amor me deu de presente chocolates do Hotel Okura, um dos mais famosos de Tokyo/Kyoto.
Chocolates... com ouro comestível!
Deliciosos.

Me senti um Boca Rica, aquele joguinho de moedas da Estrela!


2.23.2017

Taco Salad - Coco's Restaurant - Grande Almanaque Mauj

Paradinha para almoçar com meu amor no Coco's Restaurant, um destes family restaurants (famiresu, em japonês) espalhados por todo o Japão.

E na hora da boa saladinha...
Taco Salad!



Saladinha marota envolta em uma tortilla bem crocante e aerada.

O abacate dá um remelexo de guacamole para o prato, delícia.
Ovinho que casa bem com o tomate, que casa bem com o atum/frango, que casa bem com a alface e assim vai esse romance mexicano bem casado.

3 opções de molho: oriental/japonês, caesar, cebola.
Todos feitos à base de óleo de arroz, que dizem ser mais saudável.

590 ienes (uns 15 Fora Temer).
Massinha que quebra na boca, crocantinha e aerada, sabe?

Muito gostoso.
Tão gostoso como o amor.

2.22.2017

Japão, Verdadeiro Abacaxi - Nas Ruas do Japão - Linda Batista - Grande Almanaque Mauj


Linda Batista - RUAS DO JAPÃO
de Haroldo Lobo & Cristóvão de Alencar. 
RCA Victor, em 78 rotações.
Dezembro de 1943.


Nas ruas do Japão
Não há mão nem contramão, chi
Lanterna de papel é lampião, chi
Suicídio lá se chama harakiri, chi
Aquilo é um verdadeiro abacaxi

Quando lá é meia-noite
Aqui é meio-dia
O quimono lá é moda
Aqui é fantasia

E por isso todos dizem
Na terra do Micado*
Tudo, tudo, tudo
Tudo é atravessado

*Mikado (帝) — termo antigo da lingua japonesa."Porta Sublime", em japonês.
Era utilizado para definir o Imperador do Japão.

 (marchinha que fez sucesso no carnaval de 1944).

2.21.2017

Mouse Kawaii Elecon - Grande Almanaque Mauj



Que bonitinho!
Mouse japonês sem fio da Elecon.

Gostei da carinha.
Kawaii (bonitinho/fofinho).

Diz o fabricante que a pilha dura dois anos e meio de uso neste periférico.
Da japonesa Elecon, série Enelo Denchi Nagamochi
Preço - 1000 ienes, uns 27 Fora Temer.

2.20.2017

Maqui Berry - A Fruta Mágica da Saúde - Grande Almanaque Mauj


Um sabor que lembra uma amora mais doce, a deliciosa frutinha chilena Maqui, originária da Patagônia, é considerada sagrada pelos índios Mapuche.

Pudera! Este tesouro natural do Chile é campeão em antioxidantes (antocianinas e polifenóis), fonte de vitaminas A, C, E, cálcio, potássio, ferro e outros minerais.


Esta frutinha, com cara de groselha, ajuda a emagrecer. É diurética, previne o envelhecimento celular, desintoxica, melhora o quadro de cansaço crônico e inflamações.

Um coração de maqui berry!


A fruta é difícil de ser encontrada in natura, a versão pó/suplemento é que comanda.



Gosto de consumi-la em forma de suco fermentado (chicha). Delícia!
Saiba mais sobre esta frutinha milagrosa no vídeo abaixo!


Video da TV chilena.
Programa "Mucho Gusto", da Megavision.

2.19.2017

A Grande Catarse - Crônica Batucada de Carnaval - Grande Almanaque Mauj



Oi! Boa semana para você!



A catarse anual de um povo.
Liberta-se o vapor da panela de pressão interior de cada um.
(senão o povo explode, ainda mais em épocas tão tensas).

Problemas se anestesiam.
Ampliam-se os sentidos, o sensorial dita as regras.

A loucura é botada para fora, permite-se despir a máscara colada da aceitação social.

Rainhas, reis, animais, personagens diversos ganham vida e caem numa follie desgraçada que parece não ter fim e muito menos limites.

A suburbana pobrinha ganha seus dias de luxo na fantasia caprichada.
Desfila e olha por cima, se sente rica, linda e rainha.

O nego do armário e arma-se de kanekalon, batom. De saia se sente a mulher.

A reencarnação da Cleópatra sai para conquistar todos os homens do Egito e da Vila Dalila.

A feia de cara tem a grande chance de mostrar a bunda bela.
O santinho e moralista dá uma espiada marota na sacanagem alheia, escondido entra na farra.

Grita, pula, canta, dança, bebe, ri muito e come, os foliões.
Arrebentam a represa de sentimentos e sensações, mais estragos que a Samarco causam.


Todo beijo vem assinado de irresponsabilidade, não-compromisso, apenas desvario.
O teu sexo, tão particular, estatiza-se e o público geral ganha acesso livre, grátis.
Sem compromisso, é carnaval.


O país humilhado pelas notícias negativas faz um espetáculo de cores imenso, transformando todo o universo em seu palco. Brilha e esquece do próprio fracasso, do seu gosto de miséria.
Carros alegóricos gigantes, cores mil em passarelas, corpos bronzeados, música.
A TV esquece das notícias ruins, da novela arrastada e se inunda de gente feliz dançando, pulando, colorida.

Tudo funciona praticamente perfeito. 
É a nossa incoerência de brasileiro: a hora que somos mais perfeitos é justamente na hora da farra.

E ninguém está nem aí para nada!
Lança-perfume coletivo, o mundo fica cheiroso, colorido, lúdico e louco.
Rodopiante.
Nivela rico e pobre, branco e preto, homem, mulher (e suas misturas) no éter extático.

Mesmo quem não gosta de carnaval, gosta. Vira férias.

E vem a quarta-feira. 
De cinzas, pois é um funeral na verdade, a ressaca de fim-de-domingo multiplicada pelo infinito. 
Realidade vem voltando para casa, hora do sonho dizer tchau.

E começa o sonho para o próximo carnaval.


2.17.2017

A Maionese de Óleo de Côco - Receita - Grande Almanaque Mauj


Rita Lobo é aquela moça bonita que te ensina a cozinhar no canal GNT e no site Panelinha.
Ultimamente ela anda cozinhando os nervos (dela e dos outros) pelo Twitter.



Maionese com óleo de côco e iogurte...
Fiquei curioso para saber se existe uma receita dessas. E como é que se faz.

Encontrei uma, que leva a gordura vegetal da moda...mas nenhuma que também leve o fermentado.

Curto novas formas de fazer o mesmo de sempre, que tragam algo novo (pode ser uma textura diferente, um aroma, sabor...).
Anote aí, caso queira experimentar. Eu farei.

Ingredientes

  • 50 ml de azeite
  • 50 ml de óleo de côco
  • 1 gema de ovo
  • Sumo de meio limão
  • Sal, pimenta preta, ervas secas
  • 1 colher de café de mostarda (opcional)

Preparo - assista o vídeo.





Eu gosto e consumo maionese "de maionese" mesmo.
Aquela de sempre, que vem no potinho e você guarda na sua geladeira.

Maionese Kewpie



Gosto também das japonesas (Kewpie, etc).

Aqui no Japão geralmente são feitas com vinagre de arroz ou maçã.
De textura mais cremosa, no preparo utiliza-se apenas as gemas em vez do ovo inteiro.
Toque marcante do glutamato monossódico.


De sabores variados, tem até de ovas de peixe curtidas em molho de pimenta!

2.16.2017

Leite Condensado de Côco - Caseiro, Vegano, Sem Lactose - Grande Almanaque Mauj.

Dica para veganos.
Ou para quem está fugindo da lactose.
E para quem gosta das coisas feitas em casa.

Facinho de fazer,  parecido com o leite condensado tradicional, com um leve sabor de côco.
Eu acho uma delícia.
Experimente!




Receita-base
  • 500 ml de leite de côco (não use o light, não dá certo)
  • 100 gramas (meia xícara) de açúcar mascavo (comum também serve).


Coloque o leite de côco em uma panela, deixe ferver.
Baixe o fogo (para médio-baixo) e acrescente o açúcar.


Deixe apurar de vinte minutos a meia hora, mexendo lentamente, até a mistura engrossar bem.
Reserve e leve à geladeira.

Dicas:

  • Se quiser o leite condensado mais claro, use açúcar normal.
  • Apure BEM o líquido, para que engrosse e tenha sabor de leite condensado (senão vira mingau de côco). Mas não exagere, para que a mistura não fique açucarada.
  • Guarde na geladeira, para que o leite condensado fique mais espesso e também dure mais tempo.
  • Faça, de uma vez, 3, 4 receitas-base. A mistura rende pouco e você vai querer muito.
  • Para uma opção mais saudável, porém não-vegana, substitua o açúcar por mel.

No vídeo abaixo, o preparo do leite condensado de cõco e a mistura finalizada.



E está pronto seu leite condensado zero lactose e vegano!

2.15.2017

Maysa - Série Estudos, 1975 - Grande Almanaque Mauj


Maysa - 1975 - Série Estudos - Tv Cultura.
Direção de Antônio Abujamra/Fernando Faro (tão saudosos).

Já perdi a noção de quantas vezes vi este programa, gravado em uma cansadíssima fita VHS.

A TV Cultura espanou os velhos tapes quadruplex, botou seu imenso Ampex para rodar... e disponibilizou o programa na íntegra. Bons milagres da moderna internet, que resgata o ouro, o tesouro de outras eras.

Orgulho de saber que um dia o Brasil fez tão belas músicas e teve uma cantora deste nível.
Já que os tempos modernos não permitem, sintamos orgulho de um passado que valeu a pena.

2.14.2017

São Valentim, Uma História de Amor - Dia dos Namorados - Grande Almanaque Mauj

Dia dos Namorados aqui no Japão. Valentine's Day....

Se para nós, brasileiros, o santo do amor/casamenteiro é Santo Antônio, aqui no Japão (e em muitos outros países) a história é um pouco diferente.
Eu conto pra você.

Cláudio II, general e imperador romano (século III d.C.) considerava que soldados solteiros eram muito mais eficientes que os casados.
Sem família, os jovens se tornariam mais dedicados ao exército.


Por isso proibiu o casamento em tempos de guerra, através de lei.
O amor só deveria acontecer nos períodos de paz.
Coisa difícil, já que Roma vivia em guerra...

O bispo católico Valentim, por acreditar que nada deveria barrar a união de duas pessoas que se amam, desobedecia as ordens do déspota romano.

Promovia casamentos às escondidas, acreditava que todos que se amavam tinham o direito de unirem para sempre (naquele tempo era assim).

Valentim se tornou o bispo do amor!



Denunciado, acabou sendo preso. 

Na prisão, apaixonou-se por uma jovem cega e humilde, a filha do carcereiro.
A moça correspondeu ao amor de Valentim. 

O milagre se faz, a donzela voltou a enxergar... em nome do amor!


Valentim acabou sendo decapitado em 14 de Fevereiro de 270 d.C., o preço de ter desobedecido as ordens de um imperador e não mostrar arrependimento pelo que fez.

Mártir do amor.
Por isso o dia dos namorados é o dia de São Valentim.

Feliz Dia de São Valentim pra você!

2.13.2017

O Relógio de Minakuchi, Shiga - Grande Almanaque Mauj

Oi! Tudo bem?

Amanhece em um lindo dia. 
Seis da manhã.
Estou eu e amigos a caminhar pelo Satsukigaoka Koen.


Satsukigaoka Chuo Koen
Parque Central de Satsukigaoka
Em Minakuchi, cidade de Koka, 
província de Shiga.


Me encanto com um simpático castelo tradicional japonês,
bem no centro do parque.
Uma réplica do castelo do distrito de Minakuchi.

Para minha surpresa, o tal castelinho japa é um relógio!
Conforme passam as horas, ele vai "contando" historinhas tradicionais de Minakuchi.
Com bonequinhos, música e tudo.
Um cuco historiador!

Tenho um carinho especial por Minakuchi, cidade que abriga amigos muito queridos,
né Lie Oka e Renato?

2.10.2017

Doces Japoneses Tem Gosto de Merda - Grande Almanaque Mauj

Ah. São elas que tão dizendo, tá?
Maju Trindade e Karen Jonz.
Que parece merda, cocô, desinfetante, etc.
Enfim, tudo dá nojo e é fedido.


Comeram kinako moti, meron moti, algodão doce, balas, umas balas chinesas.

Ah, viva a liberdade de opinião. É o jeito que elas encaram as culturas diferentes, coisas que nunca viram ou não conhecem.

Coisa semelhante acontece com o povo cá de fora, que nada fala bem da terrinha que tem palmeiras, onde canta o sabiá e trafegam balas perdidas.


2.08.2017

Keo Lac - Pé de Moleque Versão Vietnã - Grande Almanaque Mauj

Pé de moleque era o doce preferido do Michael Jackson (tá, me desculpe a piadinha infame. Não resisti).
Mas não é o meu.

Não sou fã, acho que é o único doce que não gosto...
(se for caseiro e com bastante leite condensado, aí vai).

Esse docinho, tão típico da cozinha brasileira, na verdade tem origem árabe.
Na Alta Idade Média os mouros, ao percorrer a Península Ibérica e Itálica, acabaram por difundir a guloseima pela Europa.
E na Ásia também encontramos tal gulodice.

Ganhei Keo Lac, pé de moleque vietnamita!
Presente de um (muy) amigo.



Vietnamitas fazem pé de moleque de amendoim (cuja textura, sabor, é idêntico ao brasileiro), 
castanha de caju e gergelim branco/preto.

O de gergelim preto é bem gostoso.
O de caju, muito bom!
O de amendoim, continuo não gostando...
seja brasileiro ou vietnamita.

Ah, o amendoim é uma leguminosa.
Não é um oleaginosa, como todo mundo pensa, tá?


2.07.2017

Novidades Eletronicas...de 2004! - Grande Almanaque Mauj

2004.
Não fazia muito tempo que eu estava no Japão, não.

Enquanto um velho amor fazia compras em uma loja de eletrônicos, a Joshin
(em Minakuchi, cidade de Koka, província de Shiga)
resolvi testar a câmera de um novo celular.

Tirei algumas fotos...e treze anos se passaram! 
Poxa vida, gente!

Aparelhos de fax!
Moderníssimos, mandavam até e-mail!
E você acredita que, em pleno 2017, 
no Japão ainda se usa muito o fax?
Que coisa...nem tudo aqui é tão moderno, assim, viu?

Ah, procure uma bandeira muito amada nesta foto! 
Vamos ver se você encontra!

A novidade eram as primeiras câmeras reflex digitais
(daquelas que trocam as lentes)
 voltadas para o público amador. 
Modelo Canon Rebel/Kiss.
Eu queria uma, mas custava metade do meu salário.


Uma tv da Disney 
para sua filha breguinha
assistir beisebol.

Filmadoras sem fita! 
Na época era algo incrível!
Ainda nem existia o Youtube, que só surgiria no ano seguinte, 2005.
Muito menos o Xtube, 
aquele site que você compartilha os seus pornozinhos caseiros.


Mais um milagre do mundo sem fitas!
O computador que gravava os programas da TV e transformava em DVD.
Chega de VHS, aquelas fitinhas safadas que mofavam e amassavam
(mas usei tanto e adorava).


Hi-MD.
Um sistema walkman que a Sony inventou e não pegou.
Guardava 1 GB de música em um disquete fininho e colorido.
Custava 54 mil ienes (uns 1500 Fora Temer), caro.
Quase comprei, mas ainda bem que não.

Os tradicionais MD, 
que tocavam lindos disquinhos coloridos (tive tantos...).
Um formato que só pegou no Japão, 
substituindo a fita cassete.


Concorrente do iPod.
Era bonitão!
Tapeless, músicas em um HD de 20 Gb.
Neste dia eu ganhei este aparelhinho destes
de presente do então amor 
e fiquei tão feliz!
O aparelho durou mais 
que meu amor por ele.

Curvex eletrônico.
Para periguetes hi-tech.


2004 foi o ano de lançamento da tv digital no Japão.
Em 2009 acabou a era da tv de bundona, 
fim da tv analógica por aqui.
Era um trambolho, né? 

E você ainda enfeitava com crochê 
e vasinho de flor de plástico, pano, 
fazia capinha pro controle remoto de filme plástico colorido.
Pelamor, viu. Vocês eram cafonas.

Pensei, pensei.
E comprei um parecido com esse aí, na época. 
Vaio, maravilhoso.
Foi bom enquanto durou, sabe?
O amor? Nem tanto.

O tempo passou, o amor acabou, tudo isso lixo já virou
e a tecnologia tanto mudou, né?

2.03.2017

Diabo Para Fora! Sorte Para Dentro! Ritual do Setsubun - Grande Almanaque Mauj

3 de Fevereiro. Dia de Setsubun/Risshun.

Setsubun (節分) - Separação das Estações, em japonês. 


Ah, longo inverno! Cinza, frio e triste.

Ficamos saudosos da primavera! 
Estação bela, romântica, das lindas flores.

Vestimos roupas mais leves, a temperatura amena é uma delícia.
Campos floridos, montanhas verdejantes.
Flores de sakura (cerejeiras em flor) a encantar paisagens.
A vida parece retornar com força na natureza, tudo se alegra e ilumina em tempos primaveris.


A estação das flores traz um ar de renovação tão forte que antigamente o ano novo só era celebrado com a sua entrada, de acordo com o velho calendário oriental. Já ouviu falar do ano novo chinês, certo?

Hoje é dia de Risshun, (立春), o Levantar da Primavera!



O Ritual do Mamekaki 

Grãos de Soja (mame) e um diabo (oni).

Japoneses jogam grãos de soja seca e tostada (fukumame) em suas casas, de dentro para fora.
Joga-se os grãos dizendo em voz alta: Oni wa soto! Fuku wa uchi! (Diabo para fora! Sorte para dentro!).

Grãos também são jogados em alguma imagem de oni (ou alguém fantasiado de).

Grãos de soja sendo jogados em um oni.
Katsushika Hokusai, 

Grãos de soja seca e tostada (Fukumame) 
do Templo Heian Jingu.


Na cultura japonesa os grãos de soja simbolizam purificação, saúde, fartura e boa energia.
Um grão que teria o poder de trazer prosperidade em todas as áreas da vida e afastar os infortúnios. 
A nossa lentilha de ano-novo é a soja do setsubun para os japoneses.




Oni no calor de um bom onsen
(casas de banho termal japonesa)




No ritual de Setsubun é servido um sushi especial, o Ehoumaki (恵方巻き).
Sushi enrolado e grosso, do tipo makizushi, seu nome significa "enrolado e voltado para a sorte".
Faz-se o sushi com uma folha inteiriça de nori (alga marinha seca).

Comido sem cortar, já que o corte significaria partir relações importantes, deixar ir embora a sorte, quebrar o ritmo da vida.

Acompanham grãos de soja tostados. Um grão para cada ano de vida.



Ingredientes do sushi Ehoumaki.

Posiciona-se o sushi na direção da sorte (cada ano varia, de acordo com o animal do ano no zodíaco chinês). Come-se a iguaria de olhos fechados, enquanto faz-se um pedido.

O Setsubun, ritual importado da China, de início foi celebrado ao sul do Japão (região mais pobre do país).
O norte posteriormente aderiu e fez sua versão mais nobre do ritual, com grãos de amendoim em vez de soja. 
Algumas pessoas usam milho em vez de soja ou amendoim, para que os animais da região possam se alimentar dos grãos.

Feliz risshun pra você!
Aproveite a data de hoje e celebre um renascimento interior.
Expulse todos os seus demônios, convide a sorte e a felicidade a fazerem parte de sua vida!