Pular para o conteúdo principal

A Lenda do Amor das Estrelas - Tanabata - Grande Almanaque Mauj

Dia sete, mês sete.
Hoje é dia do Tanabata Matsuri (七夕祭り), o Festival das Estrelas.

Conto pra você a bonita lenda desta data, símbolo do amor eterno.


Orihime (織姫, "orírrimê"), a Estrela Vega. Princesa tecelã de estrelas no céu.
Recebeu de seu pai Tenkou (天工 - "tenkô"), o Senhor Celestial, a missão de tecer um enorme e belíssimo manto estrelado, a Via Láctea.

Certo dia, cansada de tanto tear estrelas, Orihime resolveu espairecer caminhando entre as nuvens.


No caminho encontrou um belo pastor, Kengyu (彦星, "kênguíu"), a estrela Altair.
O responsável por cuidar dos animais do cosmos, o pastor dos céus.
Se apaixonaram.

Amor que se agigantou, ficou maior que o universo.


Pediram, então, permissão ao Deus Tenkou para poderem se casar.
O Rei dos Céus concedeu sua permissão..

Dominados e embalados por um amor sem fim, ambos acabaram vivendo de amor e esquecendo de suas obrigações. Orihime já não mais tecia o céu, Kengyu já não cuidava mais dos animais celestiais.

Esqueceram-se da Terra, das pessoas que viviam abaixo do Reino dos Céus.

Tenkou, indignado e profundamente decepcionado com a falta de responsabilidade do casal apaixonado, decidiu que ambos viveriam separados, para que cumprissem com suas obrigações.
Seriam afastados, cada um viveria em um canto da Via Láctea.


Orihime e Kengyu, separados. Um sofrimento sem fim.
As lágrimas de Orihime caiam sem parar, formando tristes estrelas brilhantes no céu.
Kengyu vagava triste pelo Universo, perdido e sem brilho.

Tenkou condoeu-se ao ver a grande tristeza do casal apaixonado.
Abrandou um pouco a penitência, permitiria que o casal se reencontrasse.
Porém o reencontro seria breve, apenas uma vez ao ano - no sétimo dia do sétimo mês.

Uma condição foi imposta: Orihime e Kengyu teriam que atender os pedidos vindos dos habitantes da Terra, feitos no dia do reencontro. Só poderiam ser felizes ao fazer os cidadãos da Terra felizes também.



Na Via Láctea, Orihime é a estrela Vega, Kengyu é Altair.
Duas estrelas reais, que estão localizadas em lados opostos da galáxia.
Apenas uma vez ao ano podem ser vistas juntas, no dia 7 do mês 7 (do antigo calendário lunar).

Assim teve origem a Lenda do Tanabata, cuja comemoração  é realizada em todo o Japão, entre julho e agosto. Escolas, creches, festivais diversos pelas cidades, até mesmo o comércio e as empresas realizam eventos especiais para celebrar o Festival das Estrelas, o Tanabata Matsuri.

(imagens via google)

Comentários

Nossa Ale que linda essa história de amor
Emocionante!
Adorei!
Vou compartilhar
Muito linda
Beijo amigo querido
Ana Maria Ramos disse…
Esta eu conheço. Meu filho apresentou na expo.comovente a lenda. Hoje 7 do 7 começa o festival do Japão aqui em sampa. Dan já foi para la. Feliz tanabata para vocês. Abração
Jô Turquezza disse…
Adorei e me emocionou.
Essas lendas são muito bonitas.
Ah o amor eterno ........
Lindo domingo para você.
blogjoturquezzamundial
Beijos.

Postagens mais visitadas deste blog

A Imensa Falha Tectônica Japonesa - Grande Almanaque Mauj

A Grande Falha Tectônica Central (Chuo Kouzou-sen, 中央構造線) é o sistema mais longo de falhas tectônicas em território japonês.


Segue de Ibaraki (Kanto) a Kyushu, atravessando várias províncias (Aichi, Shizuoka, Nagano, Gunma, Osaka, Nara, Wakayama, Kumamoto, etc).

É praticamente um racho, uma "tampa partida" ao meio do Japão, afetando as principais e mais habitadas regiões do país.

Para piorar, ainda se une a várias outras falhas subjacentes, ramificadas por boa parte do arquipélago.

Faça mentalmente a imagem de um vidro trincado, analogia da imensa quantidade de falhas presentes em território nipônico.



Geologicamente o terreno/território japonês ainda é "jovem" e está em formação.

O Japão, sendo feito e montadinho por cima de várias e várias placas tectônicas a se mover, tem seu relevo local constantemente alterado em diversos graus de deslocamento.

O solo se move, surgem novas elevações, somem outras, vulcões despertam... e até mesmo novas ilhas são geradas!

E a ge…

Breve História do Odio Coreano Pelo Japão - Grande Almanaque Mauj

O Japão sempre teve uma relação tensa com as Coréias. Mesmo hoje em dia.
 A do Sul se destaca pela força econômica e cultural. Rouba o protagonismo do Japão na Ásia.
 O mundo é muito mais Samsung que Sony,  mais K-Pop que J-Pop.
Nas tvs de vários países 
donas de casa choram e sonham,  vendo novelas sul coreanas. Já dançamos Gangnam Style um dia.
A do norte precisa manter arraigado  o ódio ao Japão,
 para manter seu regime ditatorial e a ideologia Juche.
 Destruir o Japão é um dos sonhos norte-coreanos,
vingança dos tempos de dominação nipônica.
Pois é, 
o ódio ao Japão é ainda uma das poucas coisas,  além da língua, que unem ambas as Coréias (já te explico).
Estas fotos fiz na cidade de Komaki, 
província de Aichi. Dezembro de 2014.
No auditório do KIA - Komaki International Association. Coreanas apresentavam a belíssima dança Taepyeongmu
típica de seu país.
Um alegre e ritmado balé milenar, que celebra a paz. Encanta com movimentos fortes, mas delicados.
De onde vem esse ódio ao Japão? De tempos antigos.
D…

Geléia de Babosa - Sabores do Japão - Grande Almanaque Mauj

Uma geléia japonesa, em um belo tom âmbar.

Geléia de... babosa! Aloe Jam, da Kanpy. Comprei no Daiso (loja japonesa de R$1,99) . 100 ienes, uns 3 reais o potinho de 150 gramas.
 Não é cosmético,  feito para passar no corpo e cabelos. É doce, feito com a polpa de aloe vera,  acrescido de uva moscatel.
Gostosa essa geleinha!
A uva moscatel contém uma textura parecida 
com a parte interna da babosa. Ao serem mixadas, ambas se confundem  e a uva mascara o gosto amargo da babosa. Portanto aproveitam-se as qualidades da babosa,  sem ferir o paladar.




A babosa, também conhecida como aloe vera, é riquíssima em nutrientes.
Saponinas, minerais, cálcio, lignina, potássio, magnésio, zinco, cromo, cobre, ferro, etc.
Contém ainda vitaminas B e E.
Auxilia nos problemas do aparelho digestivo e fortalece o sistema imunológico.
Equilibra a glicose no sangue.

Estudos indicam o consumo de sua polpa como tratamento auxiliar em casos de câncer.

O Bordel Mal-Assombrado da Doutora Watanabe - Grande Almanaque Mauj

 Hoje vamos visitar uma velha e grande casa abandonada, carregada de estranhas histórias...
 Casa da Dra. Hana Watanabe. Destacou-se em seu trabalho na Cruz Vermelha Japonesa. É o que diz a plaquinha branca.

A placa amarela... Yasukuni Eirei no Ie.  Homenagem a um "herói" do Exército Imperial Japonês, 
morto em combate na Segunda Guerra Mundial. O único filho da doutora Watanabe, 
enterrado com honras, no polêmico Templo Yasukuni  (dedicado aos "heróis" de guerra japoneses), em Tokyo.

Tem mais uma plaquinha, no canto direito. Eita!  É um aviso que o local é... 
proibido para menores de dezoito anos!
Ih, gente.  A casa dos heróis de guerra virou... um puteiro? Depois da morte da médica, a casa foi alugada pelos parentes. Virou comércio (de gente).

Snack Bar Bian. Japonesas, filipinas e chinesas divertiram os homens da região por muitos anos.
Anexado ao rendez vous, um restaurante de Lámen, o Mikawaya. (eu te expliquei o que é lamen, clique aqui no link) Para os clientes comerem algo
antes…

Escorregando no Dinossauro de Pinto Grande - Hamamatsu Flower Park - Grande Almanaque Mauj

E lá fomos nós ver o dinossaurão.
Bonitão o dinofauro, né? Estamos no Hamamatsu Flower Park,  o famoso parque das flores de Hamamatsu.
Cidade de Hamamatsu,  província de Shizuoka.
Olhe só!  O simpático e extinto animal 
é um escorregador!
Você escorrega pelo... pinto do bicho? Ai...
 O escorregador é de roletes,  você desce rapidão.
Rola pelos rolinhos.
Daí a gente entende porque o povo da região sempre fala  "Vamos lá escorregar no pingulim grande do dinossauro"
 Bobajada a parte, é um brinquedo divertido para crianças e adultos.
 Mas que parece que é o pinto do  dinossauro, parece sim.
Quem mora no Japão já está acostumado com esse tipo de coisa. Tem horas que japonês faz umas coisas bem sem-noção mesmo.