Pular para o conteúdo principal

Holocausto Brasileiro - Hospital Colônia, Auschwitz Mineiro - Grande Almanaque Mauj

Sempre ouvi os mineiros falando "trem de doido".
De onde viria tal frase...

A expressão teve origem com os trens de carga abarrotados de pessoas, levadas e lançadas ao maior hospício do Brasil Ditadura: o Hospital Colônia.

 Interno do Hospital Colônia.
Barbacena, MG.
Dormiam sobre palha, não haviam camas nem colchões.
Muitos morreram de frio, pelo rigoroso inverno local.


No Hospital Colônia (cidade de Barbacena, MG) entrava aquela gente que as gentes do poder não queriam por perto.
Pelas canetadas dos influentes da época, cidadãos comuns eram internados como loucos em um processo eugenista e sem critério médico algum.

(Imagens registradas pela equipe da revista O Cruzeiro, dos Diários Associados.
Fotojornalismo de Luis Alfredo Ferreira, 1961).

Internação forçada para pobres, gays, deficientes físicos/mentais, epiléticos, ébrios e mendigos.
Idem adversários políticos dos figurões locais ou as filhas de fazendeiros que engravidaram antes do casamento.
Também as empregadas domésticas, violentadas e prenhes de seus patrões.
Esposas, que estavam a ocupar o lugar das amantes e "já não tinham mais serventia"; as prostitutas que sabiam demais e a gente humilde que sabia de menos.

Nem crianças eram poupadas da clausura imposta.
Párias sociais.
Negros, em sua maioria.

Bebiam água de esgoto, 
muitas vezes a única disponível.

Com a conivência dos médicos, funcionários da instituição, igreja e população local, o Hospital Colônia tinha uma média de 16 mortes diárias.
Inanição, tortura com eletrochoque e afins, duchas escocesas geladíssimas, frio, insalubridade e envenenamento levaram a vida de mais de 60 mil internos, entre os anos 1930 a 1980.

O "chá da meia-noite", injeção letal largamente usada na instituição, era visto como solução final para os indesejados.
E a carga nos eletrochoques era grande, muitas vezes derrubou a rede elétrica de Barbacena por sobrecarga.

Muitos dos internos foram "emprestados" para trabalhos diversos, não-remunerados.


 Nem crianças eram poupadas.
A morte próxima. 
(Foto de Napoleão Xavier para o "Estado de Minas", 1979)

Não se respeitava nem mesmo a alma dos mortos.
Seus corpos inertes davam lucro, vendidos baratinho para inúmeras faculdades de todo o Brasil. Outros cadáveres tiveram como destino o ácido, ossos também eram lucrativos.
Comércio macabro que gerou quase um milhão de reais em lucro para os dirigentes deste hospital mineiro do terror.

Hospital Colônia, mimetização de um campo de concentração nazista em solo brasileiro.

 Holocausto Brasileiro
de Daniela Arbex
272 páginas 
Editora Geração

O desenrolar deste genocídio foi resgatado pela jornalista Daniela Arbex, do jornal Tribuna de Minas, em um excelente livro. Relatos dos sobreviventes e envolvidos traçam um panorama do que representou esta antecâmara da morte.

Vale a leitura. É importante conhecer a história, para que a mesma não se repita.
Li o livro e mais que recomendo.
A HBO apresentou um documentário sobre o local, assista.



Comentários

Anônimo disse…
nunca pensei que isso pudesse acontecer aqui em Minas mais ocorreu
estou chocada
ValLindinha disse…
não tenho coragem de assistir, nem de ler...

Postagens mais visitadas deste blog

A Imensa Falha Tectônica Japonesa - Grande Almanaque Mauj

A Grande Falha Tectônica Central (Chuo Kouzou-sen, 中央構造線) é o sistema mais longo de falhas tectônicas em território japonês.


Segue de Ibaraki (Kanto) a Kyushu, atravessando várias províncias (Aichi, Shizuoka, Nagano, Gunma, Osaka, Nara, Wakayama, Kumamoto, etc).

É praticamente um racho, uma "tampa partida" ao meio do Japão, afetando as principais e mais habitadas regiões do país.

Para piorar, ainda se une a várias outras falhas subjacentes, ramificadas por boa parte do arquipélago.

Faça mentalmente a imagem de um vidro trincado, analogia da imensa quantidade de falhas presentes em território nipônico.



Geologicamente o terreno/território japonês ainda é "jovem" e está em formação.

O Japão, sendo feito e montadinho por cima de várias e várias placas tectônicas a se mover, tem seu relevo local constantemente alterado em diversos graus de deslocamento.

O solo se move, surgem novas elevações, somem outras, vulcões despertam... e até mesmo novas ilhas são geradas!

E a ge…

Breve História do Odio Coreano Pelo Japão - Grande Almanaque Mauj

O Japão sempre teve uma relação tensa com as Coréias. Mesmo hoje em dia.
 A do Sul se destaca pela força econômica e cultural. Rouba o protagonismo do Japão na Ásia.
 O mundo é muito mais Samsung que Sony,  mais K-Pop que J-Pop.
Nas tvs de vários países 
donas de casa choram e sonham,  vendo novelas sul coreanas. Já dançamos Gangnam Style um dia.
A do norte precisa manter arraigado  o ódio ao Japão,
 para manter seu regime ditatorial e a ideologia Juche.
 Destruir o Japão é um dos sonhos norte-coreanos,
vingança dos tempos de dominação nipônica.
Pois é, 
o ódio ao Japão é ainda uma das poucas coisas,  além da língua, que unem ambas as Coréias (já te explico).
Estas fotos fiz na cidade de Komaki, 
província de Aichi. Dezembro de 2014.
No auditório do KIA - Komaki International Association. Coreanas apresentavam a belíssima dança Taepyeongmu
típica de seu país.
Um alegre e ritmado balé milenar, que celebra a paz. Encanta com movimentos fortes, mas delicados.
De onde vem esse ódio ao Japão? De tempos antigos.
D…

O Bordel Mal-Assombrado da Doutora Watanabe - Grande Almanaque Mauj

 Hoje vamos visitar uma velha e grande casa abandonada, carregada de estranhas histórias...
 Casa da Dra. Hana Watanabe. Destacou-se em seu trabalho na Cruz Vermelha Japonesa. É o que diz a plaquinha branca.

A placa amarela... Yasukuni Eirei no Ie.  Homenagem a um "herói" do Exército Imperial Japonês, 
morto em combate na Segunda Guerra Mundial. O único filho da doutora Watanabe, 
enterrado com honras, no polêmico Templo Yasukuni  (dedicado aos "heróis" de guerra japoneses), em Tokyo.

Tem mais uma plaquinha, no canto direito. Eita!  É um aviso que o local é... 
proibido para menores de dezoito anos!
Ih, gente.  A casa dos heróis de guerra virou... um puteiro? Depois da morte da médica, a casa foi alugada pelos parentes. Virou comércio (de gente).

Snack Bar Bian. Japonesas, filipinas e chinesas divertiram os homens da região por muitos anos.
Anexado ao rendez vous, um restaurante de Lámen, o Mikawaya. (eu te expliquei o que é lamen, clique aqui no link) Para os clientes comerem algo
antes…

Toyota e Seus Problemas - Como Afeta os Brasileiros Radicados no Japão? Grande Almanaque Mauj

20168 de Janeiro - Explosão na Aichi Steel, uma fábrica de aço localizada na cidade de Tokai (Aichi). O incidente gerou uma grande escassez de peças.
Uma semana de paralisação em toda Toyota

14 de Abril - Grande Terremoto de Kumamoto, região de Kyushu, sul do Japão.
Fábricas da Aisin Seiki, localizadas na região, danificadas.
Idem infraestrutura local, gerando problemas enormes de logística.
Novamente a Toyota para.

30 de Maio - Explosão na Advics, fábrica do Grupo Aisin, em Kariya (Aichi).
Toyota novamente paralisa suas operações.


A Toyota, a grande montadora japonesa de automóveis, precisou por três vezes paralisar sua produção no ano de 2016.
Queda de 16,6% na produção em comparação ao ano de 2015.



2017
20 de Março de 2017 - Incêndio na Toyota Shatai, em Inabe (província de Mie), no setor de pintura.
Afetadas as linhas dos modelos Alphard, Vellfire e Hiace. 

A produção será interrompida até confirmação de segurança por parte da empresa e fiscais do governo.



do twitter: @syogeki119


Reação e…

Muito Doido - Óleo de Maconha... Para Cozinhar - Grande Almanaque Mauj

E na prateleira estava lá, este tal hemp seed oil.
No Domy(ドミー), supermercado japonês desses de rede, comunzão mesmo.

Óleo de sementes de maconha, orgânico, prensado a frio.
Para cozinhar.

Diz o fabricante (Hemp Kitchen) que o óleo preserva todos os benefícios da cannabis sativa, mas sem causar efeito alucinógeno. O canabidol, presente neste óleo, é um potente remédio para males psicoativos como Alzheimer, esquizofrenia, TOC, mal de Parkinson, etc.
Poderia também auxiliar no tratamento de câncer, fibromialgia e infecções crônicas.

Conta com uma presença mínima do THC - tetra-hidrocarbinol, que dá o efeito alucinógeno e pode causar adicção.

Não comprei.
Caro, quase 2000 ienes (65 reais, aproximadamente) uma embalagem de 350 ml.
Se fosse mais barato (ou tivesse embalagem menor), compraria para experimentar e fazer uma comida bem loucona.
Deu vontade de saber que gosto tem, o cheiro...

Ah, antes que a polícia de plantão já saia efetuando B.O, não fumo nem cigarro, não uso droga alguma e…