4.24.2017

Quando Me Amei de Verdade - Reflexão Positiva - Grande Almanaque Mauj

Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato. E então, pude relaxar. Hoje sei que isso tem nome... Auto-estima. 

Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra minhas verdades. Hoje sei que isso é...Autenticidade. 

Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento. Hoje chamo isso de... Amadurecimento. 

Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo. Hoje sei que o nome disso é... Respeito. 

Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável... Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo. Hoje sei que se chama... Amor-próprio. 

Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro. Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo. Hoje sei que isso é... Simplicidade. 

Quando me amei de verdade, desisti de querer sempre ter razão e, com isso, errei muitas menos vezes. Hoje descobri a... Humildade. 

Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece. Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é... Plenitude. 

Quando me amei de verdade, percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada. Tudo isso é... Saber viver!

Quando me amei de verdade, deixei de temer meu tempo livre e desisti de fazer planos. Hoje faço o que acho certo e no meu próprio ritmo. Como isso é bom!

Quando me amei de verdade, desisti de querer ter sempre razão, e com isso errei muito menos vezes. 

Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar com o futuro. Isso me mantém no presente, que é onde a vida acontece. 

 Quando me amei de verdade, percebi que a minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando eu a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.



 
Quando Me Amei De Verdade 
Kim Mcmillen & Alison Mcmillen 
Editora Sextante、 2009 
64 páginas.



Kim McMillen faleceu aos 52 anos.

Alison, sua filha, ao organizar as coisas deixadas pela mãe recém-falecida, encontrou um simpático caderninho, cheio de anotações e pensamentos manuscritos por Kim.

Um caderno manuscrito, que reunia toda a filosofia de vida de sua mãe. Encantou-se com a simplicidade e a leveza do conteúdo, que descreviam tão bem seu jeito de viver.

Alison publicou os pensamentos do caderno de memórias em forma de um pequeno livro, em homenagem à Kim.

O mesmo se torna um sucesso imediato, explodindo em vendas em todos os Estados Unidos.





Quando Me Amei de Verdade, de Kim e Alisson McMillen, é um livro daqueles de leitura bem rápida.

Simplezinho, de facílima compreensão, repleto de boas reflexões para uma vida mais leve e melhor.

Um estilo à la "Minutos de Sabedoria", só que ainda mais direto e simples.

Sempre leio, releio este livrinho.
Gosto, me faz bem, me deixa mais leve, tranquilo e de bem comigo.

Não tenho preconceito nenhum com livros de autoajuda, ainda mais se realmente sinto que me fazem viver melhor.

4.22.2017

Courgette Marinade - Salada de Abobrinha Marinada - Receita Fácil - Grande Almanaque Mauj

Para o fim de semana, uma saladinha crua rápida e fácil.
Boa para acompanhar uma carne, um grelhado, etc.
Leve, saudável e low carb.


Abobrinha Italiana Marinada

Ingredientes


  • 1 abobrinha italiana cortada em rodelas
  • 2 limões
  • Pimenta calabresa
  • Salsinha e cebolinha a gosto
  • 2 dentes de alho
  • Azeite
  • sal

Preparo


Fatie a abobrinha em rodelas bem finas. Se possível, use um mandolin ou processador para tal.
Pique bem miudinho o alho.

Coloque a abobrinha fatiada em uma tigela.
Acrescente o sumo de dois limões, a pimenta, o alho.
Regue generosamente com azeite, acerte o sal e temperos.

Leve à geladeira e deixe marinar por uma hora, pelo menos.
E só servir e ser feliz.



(Abobrinha em japonês - zukkini , ズッキーニ. Igual o nome em italiano, "zucchini").

4.21.2017

Bicho na Comida - Insetos Masterchef - Tailândia e Yuko - Grande Almanaque Mauj

Na forma de salgadinho, petiscos e pratos feitos à base de curry, etc., os pequenos invertebrados tem sido um deleite na Tailândia por séculos.


O costume asiático de comer insetos nasceu em tempos de fome.
Nos dias de muita pobreza e escassez tudo que se mexe passou a ser visto como comida.

Na capital, Bangkok, alimentar-se destes pequenos invertebrados causa certa rejeição, é visto como coisa de gente pobre e ignorante. No interior a tradição permanece firme, até por ser uma região mais pobre.

Angelina Jolie devorando uma tarântula.

Turistas adoram espetinhos de insetos comestíveis fritos. Rendem fotos interessantes para postar no Facebook e outras redes sociais. Mas não costumam comer, jogam o petisco fora após os cliques.



Há mais de duzentos tipos de insetos comestíveis.
Artrópodes são fontes enormes de proteínas e minerais.


Fui à Tailândia algumas vezes, como turista.
E confesso que cheguei a provar a insect meal.

Em um jantar na casa de uma querida amiga insetos foram servidos. Todos a comer os bichinhos e fiquei sem jeito de recusar.

Estava lá, na minha frente, uma bandeja enorme de grilos, gafanhotos, escorpiões, larvas diversas.
Com molho de shoyu, pimenta e óleo de gergelim.

O sabor é bom, apesar de certo horror na hora de comer. Não repetirei a experiência, uma vez basta e está bom demais, já saciei minha curiosidade.

Yukontorn Tappabutt, uma simpática tailandesa, te explica o sabor e história de algumas estranhas iguarias locais:

1 - Bicho da seda
2 - Gafanhoto
3 - Larvas do bambu (inseto "metrô").
4 - Grilo
5 - Barata d'água
6 - Escorpião
7 - Rã "aleluia"
8 - Ovos de formiga
9 - Rato do arroz
10 - Cachorro



Assista o vídeo abaixo.


A Yuko te fala sobre os insetos fritos tailandeses.
E também sobre comer sapos, ratos e cachorros.
Cuidado na hora de comer gafanhoto, tá?
Assista, sem preconceitos.


Yukontorn Tappabutt vive no Brasil, em São Paulo.
31 anos, originária de Suphan Buri (região central do Reino da Tailândia), é professora de idiomas, youtuber (Ann Tailandesa) e cozinheira.
Participa da atual edição do Masterchef Brasil.

Encantadora com seu jeito engraçado, simpático, atrapalhado e de fala enrolada.
Faz uns pratos deliciosamente criativos. Tem minha torcida.

4.20.2017

Come Um Puto Que É Gostoso! Filipinas - Grande Almanaque Mauj

Te garanto que comer uns putos é muito bom, te dá muito prazer.
Principalmente oral.

Coisa de filipinos, aprendi com eles.

Puto é um simples e humilde bolinho de arroz recheado com côco fresco. Cozido no vapor, envolto em uma folha de bananeira.
Puto todo branquinho, fofinho e lindo.

O puto, ah... além do côco enfiam de tudo nele - queijo, carne moída, frango, frutas, doces, chocolate, legumes e verduras.

Puto sem recheio também tem,  passe uma manteiga para lubrificar o bichinho e coma com gosto.

Em uma viagem às Filipinas (Cebu, Manila e ilha de Mindanao) comi muitos putos!
Os de bolinho, claro.

Sem preconceitos de cor, 
tem puto de todas as cores.


É tanto puto pra lá e pra cá nas Filipinas 
 que você encontra mistura pronta 
para fazer facilmente sua putaria.


Aqui no Japão também não faltam os putos! 
À venda em uma loja de produtos brasileiros em Nagoya. 
Viu, brasileiros no Japão também podem entrar de cabeça 
numa boa putada, basta querer!


Bem gostosinho, 
nas mesas filipinas 
o Puto te espera. 
Caia de boca!


Acompanhando um bom adobo filipino - carne de porco ou frango 
cozido no leite de côco 
é maravilhoso, te garanto.


Puto que pariu. 
Agora fiquei com fome.
Tá a fim de pegar uns putos?


Elsa, além de fazer frio, vende putos por telefone.
Putarias tradicionais, aos montes, nas Filipinas.

4.19.2017

Pizzas Assadas na Churrasqueira - DCM Pizza Oven - Grande Almanaque Mauj.

Tudo acaba em pizza.
Porque é bom demais, né? 
Pizza de alicci (aliche) indo pro forno.
O amor que fez.
Amo.

Tão delícia assar umas pizzas em casa, né?
Não temos forno à lenha, vai no forno elétrico mesmo.


Ao comprar carvão para churrasco no Daiki
(sim, no Japão também fazemos churrasco)
notamos que havia lá uma churrasqueira diferente...


Era uma churrasqueira... para pizza!
da DCM
(DCM ブランド ピザオーブン.- "Di-shi-êmu burando Piza Oobun").

 
Em vez de lenha, pizzas assadas no carvão! 
Deve ficar gostoso também, meio "defumada".
Entre 5 a 10 minutos sua pizza assou, 
diz a propaganda do produto.

Tem um termômetro na parte superior.  
É feita em aço inox.

 
Legal dá também para fazer 
paella, rosbife, batata doce assada "yaki imo", etc.

Não comprei, não.
Senão é comprar...
usar algumas vezes
e depois encostar.
Então levo o produto apenas em foto.
Ando em uma vibe minimalista.

Caso você se interesse, 
vá a qualquer home center japonês da rede DCM
(Kahma, Daiki, Sanwa, Kuroganeya, Nicot)
e adquira a sua! E depois me fale se gostou.


 Lembrando que a assadeira de pizza é vendida separada 
da churrasqueira comum, tá?
E este post não é propaganda do produto,
postei por achar curioso e interessante.

Ah, o preço?
3980 ienes, uns 115 reais.

4.18.2017

Bala Sabor Tomate com Sal - Coisas do Japão - Grande Almanaque Mauj

Hoje vamos falar de balinhas!
Êba! 
Doce!

 Quer dizer... meio doce.
Esta balinha bonita e vermelha é de... tomate!
"Shio Tomato Ame" - Bala de Tomate com Sal.
Do Daiso (a famosa loja japonesa de 1,99/hyakuen)


Na boca, tem um sabor parecido com o de tomatinhos cereja. 
Gosto de tomate, meio docinho, meio salgadinho.
Até que é gostosa! 
Pois é, no Japão tem balas de tudo quanto é sabor, realmente. 
Ah, eu estava folheando o catálogo de compras da Nissen...


Como agora tem lojas Daiso no Brasil,
o conteúdo do pacote de guloseimas
também está em português.

Por que bala com sal?
O verão japonês é intenso e muito abafado.
Transpiramos muito nesta época e 
perdemos uma boa quantidade de sais minerais
através do suor. 
O sal ajuda a evitar o natsubate (aquela sensação de cansaço, moleza) 
que é tão frequente nos dias quentes.
É uma bala "de verão".

O pacote todo contém 253 calorias.
Cada bala possui, aproximadamente, 14 calorias e 0,06 gramas de sal.
E claro, tem licopeno, o poderoso anti-oxidante natural do tomate.

 
Já te contei que aqui no Japão tem
bala sabor feijão!  Lembra?


4.17.2017

As Armaduras dos Samurais - No Castelo Feudal Marítimo Imabari - Grande Almanaque Mauj

 Verdadeiras obras de arte, as armaduras dos samurais japoneses 
possuiam toda uma robustez delicada.
Em japonês: "ō-yoroi" (大鎧).

 Resistentes para aguentar as batalhas, 
flexíveis o suficiente para não barrar movimentos, 
eram feitas de placas de metal e couro 
entrelaçadas em seda.

Pesavam entre vinte a quarenta quilos.
Só o capacete já pesava uns cinco. 

 Estas vestimentas de guerra carregavam em seus desenhos 
inúmeros significados: 
origem, descendência, posição hierárquica, clã, 
brasão de família, símbolos do grupo guerreiro.

Algumas possuiam um tamanho adaptado, 
para pequenos guerrilheiros
(geralmente aprendizes, adolescentes).

Fiz estas fotos em um castelo medieval japones, 
na região de Shikoku.

São armaduras que estão em exposição no 
Castelo Marítimo Feudal de Imabari, 
na cidade de mesmo nome.
Província de Ehime.

 
Já estivemos neste imponente castelo 
para admirar as belíssimas cerejeiras
em flor (sakura).

 As armaduras do Castelo Imabari
preservadas datam do século XVI a XIX.

Sempre feitas à mão, em um processo meticuloso e demorado. 
Cada "gomo" de metal é unido com um nó de seda.

 Na limpeza e manutenção cada nó de seda era desfeito,
separando uma por uma as pequenas placas de metal.
Após a limpeza tudo era remontado.

 As cores mais vivas indicam posição de destaque perante à tropa.

Uma armadura usada pelas Onna Bugeisha, 
as mulheres-samurai.

Desculpe a qualidade das fotos. 
Na verdade não era permitido fotografar, 
dei uma de ninja e fotografei ocultamente.



Queria mostrar estas vestes tão interessantes e historicas 
pra você.