1.30.2017

Vamos Manifestar o Amor! Monja Coen - Grande Almanaque Mauj


Vamos começar bem a semana, irradiando amor!
Trago para você uma bonita meditação, da monja Coen, zen budista.
Leia e absorva estas sábias palavras.

Pense em alguém que você goste muito.
Do passado, do presente ou do futuro.
Pode ser um bichinho, um brinquedo, uma pessoa, uma criança, uma situação agradável.
Pense e sinta.
Sinta esse amor, agora, aqui, em você.
Conecte-se com o amor que habita você.
Comece a incluir nessa amorosidade todas as pessoas que estão próximas a você.
Vá expandindo sua capacidade de amar.
Inclua todas as pessoas que você conhece.
Agora inclua as que você não conhece.
Inclua próximas e distantes.
Inclua pessoas que você jamais viu.
Os povos africanos, asiáticos, australianos.
Os povos e tribos de toda a Terra.
Inclua em seu amor todo o planeta, com árvores e insetos. Flores e pássaros. Mares, rios, oceanos.
Inclua a vegetação da Amazônia e da Patagônia.
Inclua o Mar Morto e o Deserto do Saara.
Não deixe o Pequeno Príncipe de fora.
Inclua os Lusíadas, a Odisséia, Kojiki,
Inclua toda a literatura mundial, um pouco de Machado de Assis, Eça de Queiroz, Shakespeare, um tanto de Saragosa, uma gota de Jorge Amado, banhado por Herman Hesse e Amon Oz.
Inclua todas as religiões.
Como se não houvesse dentro nem fora.
Imagine, como John Lennon, que o mundo é um só.
O mundo é uno. O mundo, o universo, o pluri-verso é um só.
Nós somos unas e unos com o uno.
Perceba.
Isto que digo é a verdade.
E só há esse caminho.
Inúmeras analogias, linguagens étnicas, expressões regionais e temporais para tentar atingir o atemporal, o fluir incessante, incandescente, brilhante, da vida em movimento transformador.
Somos a vida da Terra.
Somos a vida do Universo.
Somos a vida do Multiverso.
E quando nossos pequeninos corações humanos se tornam capazes a ir além deste saquinho de pele que chamamos o eu, nos contatamos com a essência da vida. Que é a a nossa própria essência e de tudo
que é, assim como é.
Algum nome? Nenhum nome?
Caminhemos.Tornamo-nos o caminho a cada passo.
Que cada passo seja um passo de paz.
Que o novo ano se abra com a abertura dos corações-mentes de todos nós seres humanos.
Abertura para o infinito.
Abertura para a imensidão.
Abertura para a ternura.
Abertura para a sabedoria.
Abertura para a compaixão.
Que todos os seres em todas as esferas e todos os tempos se beneficiem com esse amor imenso que aqui e agora juntas, juntos, nos tornamos. E ao nos tornarmos o amor tudo se torna vida e vida em abundância.
Ame e manifeste esse amor agora.
Mãos em prece

Monja Coen



1.23.2017

A Ansiedade Que Nos Devora - Crica Viegas - Grande Almanaque Mauj

Ansiedade.
Sofremos sim, deste mal. 
Projeção de futuro, expectativas, sonhos, um mundo que te cobra, você que se cobra, planos, projetos, obrigações para um certo depois.
Um bolo angustiado no peito, coração e estômago.
Mente que "fala sem parar" e bem distante do agora, gerando mil idéias confusas e desconexas, em projeções alucinadas em fast foward.


Segue um texto, autoria da minha muito querida amiga Crica Viegas, psicanalista e uma mulher de uma imensa sabedoria, sobre este tema. Um panorama bem interessante sobre o comportamento ansioso. 
Leia e reflita, para começar a semana melhor.

No mundo de hoje estamos todos extremamente ansiosos. 
Temos dificuldades em viver o presente. 
A mente insiste em dar um pulinho ali no futuro a cada meia hora. 
Haja nervos.
Ou seja: qualquer plano, desde uma viagem até o cineminha do fim de semana pode gerar comichões, coceiras, azias e afins. Não é fácil pra muita gente viver assim.
Quando se passa ter mais consciência desses saltos emocionais em se quer agir como 'espias' do futuro, pode-se começar um exercício de tentar manter o espirito no aqui e no agora. Leva tempo, o tempo de cada um. Mas é algo que se pode aprender se houver desejo.
Ansiosos assumidos odeiam esperar. Haja coração. 
Fica-se ansioso só de pensar na palavra esperar. 
Uma gana de não perder as coisas que podem acontecer.
A mente fica num estado de alerta que pode se tornar insuportável até pro corpo. 
Gastrite, palpitações, falta de ar, problemas intestinais, enxaquecas, sintomas que às vezes castigam o corpo por anos. 
O corpo, morada física do eu, esse que é a sede da angústia, onde a ansiedade faz seu foco.
Para ter saúde emocional é necessário tentar se desapegar de tanta expectativa. 
Afinal, alguém vai conseguir acabar com a fome no mundo com essa sangria mental desatada?
A entrada num processo de análise pode ser algo que vai colocar o eu de frente com essa ansiedade. Há a possibilidade de aprender que se pode fazer algo diferente do que se exaurir de tanta expectativa.
O ansioso padece de achar que só tem uma única opção é não pode deixá-la escapar. A cada situação, o senso de urgência que a fantasia produz é da ordem de um desgaste absurdo e sofrido. Ao mesmo tempo, o medo daquela "única opção" dar errado pode deixar o sujeito paralisado.
E se é opção, é porque não é único. Optar é escolher. Decidir. 
Porque na verdade há opções. Escolhas. No plural. 
Se uma coisa não deu, outra dará. Se essa outra furar, encontra-se outra.
O que quer dizer isso na vida prática? Que dizer que uns planos podem dar certo, outros podem ficar engavetados, outros esperando decisões e comprometimento envolvidos.
E também é uma escolha decidir se não vamos mais ficar à beira de um ataque de nervos enquanto as coisas não acontecem, até porque tem coisas na vida que dependem de outros fatores e às vezes pouco pode ser feito além de esperar. Mas pode-se ler um bom livro ou apreciar a paisagem enquanto se espera.
"Deixemos de coisa" e cuidemos de não ser arrastados sem ter visto a vida por causa dessa ansiedade que nos devora.


Crica Viegas.

1.18.2017

1.17.2017

A Bichinha Canta - Kamimaezu - Grande Almanaque Mauj

Um dia qualquer, fazendo umas comprinhas em Kamimaezu (uma espécie de 25 de março japonesa, no centro de Nagoya).

Lá na esquina um viado cantava enka (música típica japonesa).
Parei para ver, adoro artistas de rua! Uma voz que ó, beleza!

Filmei um trechinho da apresentação do Papaya (o nome de guerra do japonês cantor) pra você!


E esse leque! Uau! (veja no fim do vídeo).
A música, sucesso de Hikawa Kiyoshi, é um dos clássicos da canção enka moderna - Kiyoshi no Zundoko Bushi.

Assiste aí, tá?

1.16.2017

Inverno no Japão - Grande Almanaque Mauj

Este é o Clementino, assustado com esse frio todo, repentino!
Nosso boneco de neve amiguinho neste dia branquelo.


 O Sr. Sol estava meio tímido, 
não estava muito a fim de falar com ninguém 
e ficou lá no canto dele.
Estava meio na revolta e resolveu torrar apenas o povo lá do Brasil.


 Dona Camélia estava linda, toda de rosa.
Dai ela caiu do galho,
deu dois suspiros e 
depois morreu.
(Quem me disse foi o Orlando Silva).


Todos uniformizados em amarelinho, 
porque ouro vale mais que dinheiro.


E as gordas nuvens suavam 
suas lágrimas em neve
sobre a cidade.
Umas loucas.

Qualquer saravá, neste dia,
virou mesa branca (de neve)... né!


Apesar de nevar bastante em muitos lugares do Japão, 
é raro nevar/acumular neve na região que moro - 
Centro da ilha de Honshu, Nagoya, província de Aichi .
Tirei muitas fotos - tudo com o celular, porque é mais gostoso que câmera - 
e vou postando aqui aos poucos, especialmente pra você!

1.13.2017

(Quase) Paz e Amor - Crônicas do Cotidiano - Grande Almanaque Mauj


Híbrido indeciso de xícara e canequinha, estas duas simpatias comprei na Daiso (a famosa loja japonesa de 1 dólar) faz um certo tempo.
Uso-as para meu café diário.

Digo que uma simboliza a mim, a outra simboliza o meu amor.

Simbolizam amor... e uma guerrinha de leve.
Quem é o ursinho, quem é o porco?

(uma graça meu copinho de pinga com flores de cerejeira sakura, viram?)

1.11.2017

Yes, Nós Temos Bananas... com Óleo de Côco - Grande Almanaque Mauj


YES, NÓS TEMOS BANANAS 
marcha de João de Barro, Alberto Ribeiro 
e Mauj Alexandre.
Sucesso no Carnaval de 1937 
e 2017 também, 
tá meu filho.

Yes, nós temos bananas com óleo de côco




Bananas não pra dar e sim vender 
(na farmácia Sugi, onde comprei esse pacotinho de banana frita em cubinhos).

Banana, menina,
esta aqui não muito saborosinha,
tem vitamina

Banana da Seikatsu Banana, 
engorda (porque cem gramas do produto tem 550 kcal!) 
e faz crescer (seu bucho, gordinho).

Vai para a França o café, 
pois é
Para o Japão o algodão, 
pois não
E das Filipinas veio
esta banana frita ao coconut oil.

Pro mundo inteiro, homem ou mulher
Bananas para quem quiser
(porque a gente não tem discriminação 
e te aceita do jeito que você é, Deise).



Mate para o Paraguai 
Ouro do bolso da gente não sai
(até porque o pacote custou baratinho, 
cem ienes ou 3 reais com 72 gramas do docinho).



Somos da crise, se ela vier
(sempre vem, fazer o quê)
Bananas para quem quiser
e gostar,
apesar que esta eu não curti
muito, não!