6.30.2016

Feia - A História Real de Uma Infância Sem Amor - Livro - Grande Almanaque Mauj


Feia, A História Real uma Infância Sem Amor 
Briscoe, Constance 
 Bertrand Brasil, 2009.
364 páginas.


Quando você chama o teu pior inimigo, a pessoa que mais você odeia de... mãe.
Constance Briscoe, inglesa de origem jamaicana, narra sua triste história.


Carmem Briscoe-Mitchell, sua mãe, fez de Constance um sorvedouro de todas as suas frustrações, raivas e rancores. Agressões verbais e físicas extremadas, humilhações em todos os níveis era o cotidiano da infância/puberdade da autora.

Desenvolveu caroços nos seios, de tanto levar socos e beliscões nos mamilos.
Perdeu os cabelos e sofria de incontinência urinária, causados pela constante tensão.
Assédio moral e sexual do padrasto.
Ouvir, o tempo todo, coisas como "feia, feia, feia.. boca de pneu, burra, idiota, p*ta, suja".

Aos 11 anos, implorou ao Serviço Social inglês para ser internada em um lar para menores, por não suportar mais o convívio familiar. Tendo seu pedido recusado, tentou o suicídio, ingerindo alvejante (que mata todos os germes, já que "germe" era um dos apelidos carinhosos que sua mãe lhe dedicara).

Foi abandonada em sua própria casa - sem gás, luz, e comida - aos 13 anos. E ainda tinha que pagar aluguel à mãe, por morar "na casa dela".

Não é ficção, drama mexicano ou devaneios de uma desequilibrada querendo se fazer de pobrezinha sofredora.
É tudo real, infelizmente, comprovado através de relatos de terceiros, cicatrizes, extensas fichas médicas.
A mãe processou a filha por causa do conteúdo desta autobiografia. Perdeu, porque haviam provas e mais provas contra ela.

Livro que exige um bom preparo emocional, precisei de vários "respiros" durante a leitura do mesmo.
É triste e pesado encarar a crueldade que acontece em família, quebrar a imagem perfeita do amor filial.


Nem tudo é tragédia.
De certa forma, Constance encontrou forças para sobreviver.
Se formou advogada, tornou-se uma juíza conceituada, venceu na vida pessoal e profissional.
É uma história de superação.

Nem sempre o mundo é fofo, né? Pais tóxicos, os algozes dos próprios filhos, uma realidade em muitos lares.

6.29.2016

Amorte de Presente - Fotomomentos I - Grande Almanaque Mauj

Ganhei "Amorte".
Ser presenteado é AVida.
Tamanho LL porque sou todo delícia.
(Nagoya - casa)


Ela odiou o cabelo dele.
Tanakara da japa.
quase assim dizia o Pica Pau no desenho.
Ai, tia. Deixa ele ser feliz do jeito dele.
Come um docinho que passa esse mau humor.
(Valor - Toyota Josui)




Uma joelhada na cara do viado!
Manequim homofóbico.
Polícia! (é crime).
(Uniclo - Apita Versa Walk Nishio)

O país que a peixaria é mais, 
açougue é menos.
Prazeres do peixe.
(Valor - Toyota Josui)

Eu queria uma dessas. 
Panela de pressão elétrica, com timer.
Nunca mais feijão queimado - 
porque feijão vale mais que dinheiro, o Silvio Santos que falou.
(Lagerhaus - Nishio)

Esse peixe, com esse olhar pidão
implorando pelo seu amor
e quase dizendo que te ama?
Você é do mal, se aproveitaria do amor dele
só para comê-lo e depois largar.
(Valor - Toyota Josui)

Por falar em amor...
ele não pisará em coração alheio.
Em suas pernas, os Sete Deuses da Felicidade tudo observam.
(Estação de Yonezu, Meitetsu - Nishio)

6.28.2016

Las Fofurices Japonesas del Cotidiano - Grande Almanaque Mauj

Algumas fofurices cotidianas deste Japão.

Esponjas para lavar louça...
em forma de peixinho. 
Fofas.
300 ienes - 9 reais.
(da Three Coins).


Porta garrafa pet de pinguim.
Em tricô.
Para evitar o gelo nas mãos, o "suor" da garrafinha.
E ajuda a manter a temperatura da bebida!
(troque seu pinguim de geladeira por um de garrafinha).
Também da Three Coins, 300 ienes, 9 reais.


Crocs étnico, da Titicaca.
Pela primeira vez fiquei com vontade de usar um. 
Muitos modelos, lindos.
1440 ienes, uns 45 reais.

Mini carrinho elétrico, no "posto", recarregando baterias.
Coisa que está ficando comum em terras japonesas.
Toyota, província de Aichi.
É fofurice, sim. 
Porque é mais amigo do meio ambiente, então é fofo.
E ser eco não tem preço!

6.27.2016

Macarrão da Mama June - Receita de Sketti - Grande Almanaque Mauj

Anteriormente fiz um post de comida gorda japonesa - Pururuca de pele de frango à japonesa, Torikawa.

Recebi muitos pedidos de mais receitas de comida ogra, daquelas bem assassinas.
Então vamos lá, leitor pediu, a gente atende.


Here Comes Honey Boo Boo foi um reality show americano do canal TLC.

Divertidíssimo e grotesco, o show teve três temporadas que retratavam o cotidiano da gorduchinha Alana Thompson (sete anos e candidata à miss mirim) e sua louca família caipira.

Assisti a todos os episódios, me encantava e ria muito com essa família tão tosca e cheia de amor, nas maiores maluquices cotidianas em McIntyre, Georgia.

Certeza que você já viu vários memes envolvendo os personagens do programa.


A família é bem monstra.
Comida, idem.

Refeições que transbordam em gordura, sódio, açúcar e conservantes, a ponto de causar um chilique maligno em qualquer nutricionista ou natureba que acompanhar o programa.


Alana, suas três irmãs, a mãe e o pai praticamente só comem (e como comem!) comida industrializada, enlatada, salgadinhos, doces e refrigerantes. Como diz a carismática Mama June, mãe de Alana, "manteiga e açúcar deixam tudo mais gostoso".


Um dos pratos preferidos da família é o "Sketti".
Invenção de Mama June, prato simples e mega rápido, bom para aqueles dias que você pensa em suicídio ou quer matar todos de ataque cardíaco.

Nem preciso dizer que esta pasta redneck virou mania nos EUA, a molecada adora.


Um dia fiz e gostei, eu confesso. Me senti mega tosco e feliz.

Tem gente que tem curiosidade de experimentar cocaína, maconha, LSD.
Eu tive de Sketti, com todos os seus "não-pode".

Creio que faça menos mal que um miojo.
Então anote aí a receita deste maravilhoso prato ovo-lacto-vegetariano.

Sketti

Ingredientes
  • 500 gramas de macarrão.
  • 1 xícara de manteiga (ou margarina, para piorar o efeito mortal).
  • 1 xícara de catchup.



Preparo

Cozinhe o macarrão, como de costume - bem molinho, de preferência.

Junte a manteiga e o catchup em uma vasilha.
Cubra com um filme plástico e leve ao forno microondas por tempo suficiente para derreter a manteiga.

Despeje o molho sobre o macarrão e sirva.
Caso sinta que faltou molho, derreta mais manteiga com catchup e jogue por cima da massa.





Mama June cozinha feijão (é rica) com salsicha e bacon.
E claro, o Sketti, no programa de Wendy Williams.

Gostou?
Em tempos de tanta pregação sobre alimentação saudável, o Sketti é um tapa na cara da sociedade.

6.24.2016

Querido (a) Hacker, Chegou Mensagem Para Você - Grande Almanaque Mauj

"Oi, como está, melhorou da gripe? E sua irmã, está bem"?

Ah, sim, de vez em quando o papo cai em fofoca rasgada, nem te conto!
Mas olha viu, acabou conversa, acabou mensagem (deleto).

Querido hacker, infelizmente você não conseguiu invadir meu facebook, do jeito que você tão arduamente tentou.
Caso conseguisse, ia achar um inbox que parece chão limpo, daqueles que dá para comer em cima.

Prefiro manter meus papos na memória... não me apego a eles, postura totalmente budista-libertadora.
Liberté, conversa vem, vai, segue para o etéreo.
Segredos eu guardo comigo, debaixo do meu colchão, dormindo em um HD físico e criptografado.



Nudes não troco, pois prefiro tudo ao vivo, em cores, que eu possa tocar e desfrutar, rs (sou bobo, por acaso?).

Sempre pico todos os papéis virtuais.
Tudo o que publico no Facebook é em perfil aberto, meu mundo particular não sai das minhas fronteiras e não vou deixar meus tesouros em uma rede social aberta para o mundo.

No meu gmail, que você também tentou fuçar e não conseguiu, idem.
Nem perca seu tempo, nada de importante está em nuvem.


Tentar invadir meu mundo é, no fundo, sua vontade de ser parte dele?
Tentar me prejudicar é seu imenso desejo de ser eu?
Poxa, não faça isso!
Pra quê?

Nunca fui de postar o just in time da minha vida.
Nada do que ando comendo, aonde passeio, com quem estou.
Não vejo graça nisso (prefiro um mundo low-profile) e não quero aborrecer gente que nem você.
(estrangeirismos demais no texto, né? tá bom, vou parar).

Você precisa domar essa Kundalini do mal que te devora as entranhas como uma gigante taenia solium.
Solitária...
É teu sentido de solidão, de "não fazer parte da turma"  que te faz ser assim, né?
Teu passado confuso, solitário, a sensação de sempre ter sido posto de lado.

Querer um certo brilho, glamour...que as pessoas te adorem e aplaudam até mesmo um ovo frito que você faça. Sentir-se amado, querido, ser alguém para alguém.
Entendi qual é a sua. Ser alguém para alguém.
No fundo, é solidão de si mesmo, sabia? Nem mesmo filhos, marido, fãs, etc, podem preencher esse enorme buraco que vive e se alimenta dos seus sentimentos.

Qual a falta que eu te causo, a ponto de você me querer tanto para si, a ponto de perder seu precioso tempo para entrar em meu mundo um pouco mais íntimo (mesmo que virtualmente)?
De ocupar horas e horas de seu viver pensando em mim?
De querer me derrubar a qualquer preço?


Me desculpe por te causar tanto fascínio, a ponto de você querer me destruir.
Te perdôo por me amar desta maneira, a única que você sabe.

Um pouco de mim?

Minha vida é simples: trabalho bastante, vou em restaurantes com amigos, passeio pelo Japão, faço compras, cuido de mim. Gosto de estar com os que amo.
Quando tenho férias, gosto de conhecer outros países e fazer algo diferente. 
Nada assim, tão glamouroso e fantástico. Mas até que é bem legal.

Talvez a parte que vai ficar difícil você reproduzir na sua vida é no que se refere aos meus cantinhos aqui na mídia dekassegui: escrevi para jornal, revistas, sites da comunidade.
E agora estou na família Radio Shiga, com muito orgulho. 

Recebo imenso carinho dos meus amigos. Como diz o nome, são amigos. 
E é normal que amigos troquem carinho e afeto. Verdadeiro, sem iconoclastia.

Querido Hacker, isso você também consegue, faça um esforcinho para melhorar como ser humano que tudo isso vem, naturalmente. Não ataque meus amigos, construa fortalezas emocionais com os seus e sinta-os como se fossem família. Lembre-se que a gente escolhe ser feliz, nosso caminho de felicidade nós mesmos traçamos.

Você me acha tão bonito que minha beleza para ti é até uma ameaça? 
Obrigado por me ver com alguém tão lindo, posso te chamar de mãe?
Pois minha mãe é que me enxerga assim, tão lindo (claro, foi ela que me fez, né? no fundo é autoelogio dela mesma rs, assim são as mães, todas malandras).

Ah, é minha inteligência que você sente cortar teu espírito.
Vou te contar um segredo: nasci igual a todo mundo, igual a você.
O que aprendi foi o que estudei, vi, vivenciei.
Li mais de mil livros (é sério isso) e sempre estou aberto para aprender coisas novas.

Seu auto-abandono te faz enxergar atividades simples do cotidiano alheio (o meu, por exemplo) com tanto brilho e glamour que você fica de olhos ardidos em uma profunda cegueira rosada.
Assim você esquece de viver sua própria vida, porque é mais fácil ocupar-se de outra do que da própria.

Quantas horas você perde, com seus amiguinhos, cuidando de mim e da minha vida...que desperdício.

Querido Hacker, tranque sua matrícula no curso de Mauj Alexandre, estude uma coisa chamada Sua Vida que ó, vai te transformar!

Sua frustração só vai se curar quando você atacá-la de frente, mexendo os palitos para alterar sua realidade. Atacar outras pessoas apenas mitiga sua dor de ser menos, mas não cura nada. E pode ainda trazer novas feridas. Me destruir não vai melhorar o seu destino. Construir uma imagem não é construir uma vida, falta essência. O falso aplauso não alimenta a alma, só engorda o Ego.

Talvez você queria muito mais que um pouco de mim, mas nem tudo eu posso te dar.
Aprenda a ter muito de si mesmo, sendo uma pessoa grande (não só de tamanho) e boa de verdade (sem precisar fazer propaganda disso, como políticos fazem).

Lembre-se que a gente escolhe ser feliz, por isso faça você esta opção em sua vida e liberte-se de mim.
Aprenda a viver apenas de seu mundo interior, sem precisar de idolatria alheia.
Deixe-me ir de sua vida. E viva a sua, para si mesmo.

E se sua vida é muito ruim, lembre-se que eu não tenho responsabilidade sobre isso.
Não posso fazer nada sobre seu corpo não ser o que você sonhou, seu dia-a-dia ser duro e complicado.
Não digo que faria algo por você, pois hipócrita não quero ser. Mas na sua vida eu não tenho responsabilidades de nada.

E se sua vida é boa, tipo de dondoca desocupada, teu crime é ainda pior.
Uma pessoa que tem praticamente tudo na vida se ocupando com esse tipo de coisa é muita mesquinharia e pequenez mental. Fora a cara de menina de quinta série do ensino fundamental, que fica fazendo panelinha para derrubar a coleguinha mais bonita e popular (uma pena que sempre tem aqueles sem-personalidade que se rendem a esse tipo de acompanhamento, virando capacho de "líder").
Caso de internação, eu diria.

Boa sorte! Sejam felizes.

Meu perfil no Facebook e minha conta google sofreram pesado ataque esta semana. 
Tentaram roubar meu login e senha. 
Reveladas algumas fontes dos ataques pelo IP - Princesinha do Mar-RJ, interior paulista, entre outros. Ataque em grupo.
O próprio facebook informa a origem dos ataques e providências serão tomadas.
Advogados e cia, melhor que eles resolvam.
Por isso nada postei essa semana, tanto aqui no blog como no Facebook. 
É que estávamos fazendo a detetização virtual do sistema, 
momentaneamente bloqueei tudo para fazer o faxinão. 
Mas agora está tudo bem.



Obrigado a todos que mandaram mensagens, ligaram para perguntar como estou
nestes dias de ausência. 
Nestas horas a gente nota o tanto de carinho por parte dos amigos. 
E claro, adoro e fico feliz.

6.17.2016

Nada a Invejar - Vidas Comuns na Coréia do Norte - Barbara Demick - Grande Almanaque Mauj



Nada a Invejar - famosa canção infantil norte-coreana, que enaltece como é bom viver "no melhor do mundo".
Título do livro de Barbara Demick, jornalista correspondente do Los Angeles Times em Seul.

Como acontecem por lá as pequenas felicidades (sonhos, família e amor) do cotidiano?
Como escapar deste naco de inferno no Oriente?
Após a fuga, é fácil a adaptação no novo mundo capitalista, "livre e feliz"?

Histórias que foram compiladas em sete anos de contato com exilados e muitas viagens à Coréia do Norte.



É um livro pesado, cheio de histórias tristes.
Pessoas que buscam seu alimento entre fezes de animais, cascas de árvores e até mesmo canibalismo. Gente que viu seus amados morrerem de fome e nada puderam fazer. Repressão, lavagem cerebral, desesperança.
Um e outro momento de felicidade e ternura, já que a realidade local não permite nada mais que isso.

Mesmo eu, que sou um leitor compulsivo e que só sossego quando o livro acaba, precisei de muitos respiros para digerir todas estas histórias.

A gente é levado a refletir o porquê de ainda se permitir tanto padecer e miséria em nome de uma ideologia falida e fracassada (Juche).
Uma vergonha para a época que vivemos.

Para quem quer saber mais como é a vida neste país tão obscuro e fechado, recomendo a leitura.
É importante que se divulgue como é a vida dos norte-coreanos, quem sabe assim a realidade de lá se altere algum dia...

6.16.2016

Um Óleo Bem Doidão - Óleo de Maconha Para Cozinhar - Grande Almanaque Mauj


E na prateleira estava lá esse tal hemp seed oil.
No Domy(ドミー), um supermercado japonês comum, desses de rede.

Óleo de sementes de maconha, orgânico, prensado a frio.
Para cozinhar.

Diz o fabricante (Hemp Kitchen) que o óleo preserva todos os benefícios da cannabis sativa, mas sem causar efeito alucinógeno. O canabidol, presente neste óleo, é um potente remédio para males psicoativos como Alzheimer, esquizofrenia, TOC, mal de Parkinson, etc.
Poderia também auxiliar no tratamento de câncer, fibromialgia e infecções crônicas.

Conta com uma presença mínima do THC - tetra-hidrocarbinol, que dá o efeito alucinógeno e pode causar adicção.

Não comprei.
Caro, quase 2000 ienes (65 reais, aproximadamente) uma embalagem de 350 ml.
Se fosse mais barato (ou tivesse embalagem menor), compraria para experimentar e fazer uma comida bem loucona.
Deu vontade de saber que gosto tem, o cheiro...

Ah, antes que a polícia de plantão já saia efetuando B.O, não fumo nem cigarro, muito menos maconha.
E não tenho nada contra quem fuma. Cada um sabe de sua vida.


6.14.2016

Café Tina*Tina - Um Café Japonês Nas Montanhas de Mie - Grande Almanaque Mauj


Como é um café japonês?

Aí no Japão as pessoas tem o costume de marcar encontro 
entre amigos em cafés e ficar batendo papo?

(perguntas que sempre recebo dos amigos do Brasil).

Sim, japoneses adoram um café!
Adoram passar tardes inteiras em um. Lendo, conversando com amigos, fechando negócios, um café é sempre ponto de encontro.



Café Tina*Tina (o nome gerou um trocadilho não muito legal, né), em Hokusei-cho, cidade de Inabe (província de Mie).
Cantinho gostoso, tranquilo.
Nossa visita de hoje.


Um café simples, comum e que você encontra aos milhares por todo o país.
Preferi mostrar um assim, simples e tão comum por aqui, do que os famosos Starbucks da vida.

Fiz dele meu ponto de relax depois de pedalar pelas montanhas que existem na região.
Lugar gostoso para reunir com amigos, passar uma tarde super agradável.


Do cardápio, eu gosto de:

 Bolo de castanha portuguesa.

 Chá de hibisco (o de frutas tambem é muito gostoso)

 Chiffon de morango

 Saladinha
Gosto do molho.

 Sanduíche natureba e integral.
Recheios diversos. 
Vem com sopinha e salada.

Pork Curry de tomate
(conta com opção vegana, com carne de soja).
Delícia demais.

Telefone: 0594-72-3192, para você colocar no seu GPS e ir até lá depois de um passeio por Inabe, Toin, Dayan, Kuwana e região.

6.07.2016

A Noiva - Grande Almanaque Mauj

Branca e radiante vai a noiva,
logo a seguir o noivo amado.

Quando se unirem os corações,
vão destruir ilusões.


Aos pés do altar esta chorando,
todos dirão que é de alegria.

Dentro sua alma está gritando,
Ave Maria...

Chorará também, ao dizer o sim,
e ao beijar a Cruz, pedirá perdão.

E eu sei que esquecer não poderia,
se era outro amor a quem queria.

Aos pés do altar esta chorando,
todos dirão que é de alegria.

Dentro sua alma está gritando,
Ave Maria...

* La Novia - Antonio Prieto, 1961.  Versão Fred Jorge.
Fez muito sucesso na voz de Ângela Maria.

(Só gostaria de entender o porquê de estar com quem não se ama...
Quando se ama outro...
Coisas que acompanho - nada pessoal comigo, são os casos da Vida Real).



6.06.2016

Peru com PPK! A Sacanagem Política - Grande Almanaque Mauj

(foto: Peruanos em Saitama)

Este domingo foi especial para meus amigos peruanos que moram no Japão: dia de eleições, segundo turno  para presidente.

Primeira opção - Keiko Fujimori, a nikkei primogênita do ex-ditador Alberto Fujimori, que governou o Peru por dez anos (1990 - 2000).

Segunda opção - Pedro Pablo Kuczynki. Economista e ex-ministro. 
Conhecido pelas iniciais de seu nome... PPK, já que a pronúncia de seu nome é difícil para nossos amigos latino-americanos.



Pronto! 
É o Peru de olho em PPK! A piada está feita. 

Confesso que eu tinha um ataque de risos quando via cartazes de propaganda do candidato nas lojas de produtos peruanos espalhadas pelo território japonês... já imaginava besteira, o peru na pepeka.

PPK é solução dos seus problemas!


A pepeka sabe tudo!

O que fazer para crescer?
Mostra PPK que o Peru cresce!


PPK para governar seu Peru!
Homens fazendo passeata por mais PPK!


Tá com cara de quem colocou a ppk na boca, 
mas tava bacalhoada.

Quem subia não era o Peru?
PPK também sobe?
O recreio tá só começando, meu filho.

PPK sonha com um peru melhor.
É óbvio! Que PPK quer um peru ruim?

PPK dá oito idéias para fazer o Peru crescer.
Viagra?

Todo mundo é pau mandado em terra que PPK comanda!
Empoderamento das PPK!
Vai ter que rebolar para dar jeito nesse Peru.


Este post tem