9.16.2016

Vambora Viver - Reflexões "Post Mortem" - Grande Almanaque Mauj

Com a partida tão abrupta do ator Domingos Montagner (que triste, isso, lamentável) a gente é obrigado a reconhecer como a Vida é efêmera.

Do nada tudo pode terminar.
Vai o último sopro, tua existência acaba.


E o que de nós resta por aqui?
Que sentido houve em nosso existir?

Que fizemos? Quem éramos?
O que deixamos para o mundo?

Quais são as lacunas que sobrarão abertas, os assuntos pendentes, os amores não declarados, brigas sem socos, contas não pagas, risadas que não foram dadas, lágrimas que não foram amargadas, armários bagunçados, os prêmios da sorte grande que ignorados foram?

Coisas de Vida que adiamos viver.
Vem a morte e te esfrega na tua cara que agora não há mais tempo pra isso...
Azar o seu, que não aproveitou bem o tempo de vida.

Com a partida de alguém a gente reavalia nossa própria existência. Nossa finitude.
Porque um dia a gente também vai e talvez nem demore muito, vai saber.

Só vale o que a gente é, o que se fez.
O que temos, nem tanto, pois ficará tudo para o mundo brigar pelas nossas "posses".
O que deixamos para fazer ficou sem conclusão, tal qual obra inacabada.

Vambora viver, né?

Um comentário:

Anônimo disse...

lindo seu texto
vou repensar meus dias na Terra pois como vc disse, o tempo é finito!
obrigada!
Lilian