5.12.2016

Duas Décadas e Meia, Dois - O Povo Que Mude - Grande Almanaque Mauj




Menos de vinte e cinco anos, dois impeachments.
O primeiro "impichado" esta aí, hoje é senador e não foi execrado, como um dia acreditamos (eu, pelo menos, acreditei, nos idos 1992).

Adhemar de Barros, em 1956 (e quando já não era mais governador de São Paulo), foi condenado por corrupção. Fugiu do país, foi para a Bolívia para não ser preso. Seis meses passados, venceu as eleições à prefeitura de São Paulo.

Tantos outros, cuja certeza de que são corruptos supera a "um dia todos vamos morrer", estão por aí, eleitos, reeleitos e fazendo o que querem.

É o paradoxo brasileiro.
Todos contra a corrupção, a falta de vergonha na cara, o nepotismo, a falta de eficiência. Mas em conjunto reelegemos os mesmos canalhas de sempre.

A única certeza que tenho: quem precisa ter vergonha na cara, mudar, ser honesto e fazer alguma coisa decente é o povo. A classe política só muda se o povo mudar. É de baixo para cima.
Senão, é passar década e novo impeachment, seja de quem for...

5 comentários:

Anônimo disse...

clap clap clap!!!disse tudo

Maria Gi disse...

Bom dia querido...excelente palavras sinceras....

Meri Pellens disse...

Verdade seja dita: você disse tudo!

Olha, agora tem comentários do face no meu blog e vc tirou os seus??? Pode comentar lá tbm viu? Não fico titi não kkkkkkkk...

Bjk!

Danian Dare disse...

Mais que óbvio.

Lúcia Soares disse...

Mas quem os reelege é a camada mais pobre da população, que são milhões, e esperam deles o que prometem nas campanhas. E a classe pensante, mas que quer sempre uma "boquinha', seja como empresário, seja como construtor, etc. A troca de favores rende votos.
Tomara que daqui pra frente seja diferente.
Beijo, Alexandre.