9.19.2017

No Supermercado Japonês Tem - Otawara, Tochigi - Grande Almanaque Mauj

Tem certas coisas que a gente só encontra
em um supermercado japonês.


 Vamos visitar o Supermercado Mimasuya?
Todo enfeitado para o Oshogatsu (comemorações de Ano Novo).
Na cidade de Otawara, província de Tochigi.


Olhe aí, um tonel de sakê (aguardente de arroz) e 
bolinho de arroz glutinoso, com uma laranjinha no topo.
É o kagami mochi, que representa o sol nascente no Monte Fuji..


Latas e latas de chuhai 
(ou chu-hi, pronuncia-se "tchurrái").
Bebida à base de destilado de cevada, 
arroz ou batata doce.
Sabor de frutas.


Datemaki.
Rocamboles adocicados de omelete (!), 
enrolados em uma esteira de bambu.
Levam peixe branco na massa 
(bacalhau fresco ou pargo, geralmente),


Sabores que variam
doçura, peixe e ingredientes


Yokan 
Gelatina bem firme,  
leva pasta de feijão azuki, alga ágar-ágar 
e açúcar.


Sembei (biscoito de arroz) 
em milhares de sabores.

Zilhões de lámens instantâneos, 
para todos os gostos e até mau gosto.
Algo parecido com Miojo, só que mais caprichado e 
bem mais variado.

Tem também yakisoba
macarrão "ocidental"com molho de tomate, queijo, curry, etc.


Tako.
Polvo no balde (gigantescos), polvo no pote, 
em uma solução de vinagre.

Kani
Caranguejos frescos.
Ah, Kani kama, apesar do kani (caranguejo) no nome,
 é feito de sobras de peixe, tá?
Não contém o crustáceo.


Esses aí ainda estavam se mexendo.
Mais fresco, impossível.


Bandeija lotada de frituras e empanados delícinhas.
Vai pensando que japa só come coisa saudável, vai.


E não poderiam faltar, né?
Sushi! Adoro!

9.18.2017

Um Banho de Tufão - Taifu Talim no Mar Interior de Seto - Grande Almanaque Mauj

Passa pelo Japão o tufão Talim, o 18º deste ano.


Ventos fortíssimos, passam assoviando a mais de 160km/h,  muita chuva.
Na região que moro, Shikoku, foi embora sem deixar grandes tristezas ou estragos.


Começamos a filmar a passagem do Talim 
e tomei um caldo legal, me molhei todo
(veja no vídeo acima)

Fenômeno da natureza assustador, perigoso e chega a ser mortal.
Mas não deixa de ser impressionante.
E sim, belo - a natureza se toma de uma gigante força transformadora, que assusta e fascina.




De um ponto alto do pier, observamos em segurança o golpe forte das ondas e
a sinfonia rouca da ventania. Águas e vento querendo levar consigo o que no caminho estivesse.


 O mar e seu baile nervoso.

Para quem mora fora do Japão pode soar até impossível conviver com tufões, terremotos e cia.
(violência natural)
Mas... de tão frequentes, a gente se "acostuma"e tenta lidar com eles.

Não é assim que fazemos no Brasil em relação à violência?
(violência do dito ser humano). A gente aprende a viver, sobreviver.



9.15.2017

Breve História do Odio Coreano Pelo Japão - Grande Almanaque Mauj

O Japão sempre teve uma relação tensa com as Coréias.
Mesmo hoje em dia.

 A do Sul se destaca pela força econômica e cultural.
Rouba o protagonismo do Japão na Ásia.

 O mundo é muito mais Samsung que Sony, 
mais K-Pop que J-Pop.

Nas tvs de vários países 
donas de casa choram e sonham, 
vendo novelas sul coreanas.
Já dançamos Gangnam Style um dia.

A do norte precisa manter arraigado 
o ódio ao Japão,
 para manter seu regime ditatorial
e a ideologia Juche.

 Destruir o Japão é um dos sonhos norte-coreanos,
vingança dos tempos de dominação nipônica.

Pois é, 
o ódio ao Japão é ainda uma das poucas coisas,
 além da língua,
que unem ambas as Coréias
(já te explico).

Estas fotos fiz na cidade de Komaki, 
província de Aichi.
Dezembro de 2014.

No auditório do KIA - Komaki International Association.
Coreanas apresentavam a belíssima dança Taepyeongmu
típica de seu país.

Um alegre e ritmado balé milenar, que celebra a paz.
Encanta com movimentos fortes, mas delicados.

De onde vem esse ódio ao Japão?
De tempos antigos.

Desde 1876, com o Tratado de Kanghwa, 
o Japão se impôs à Coréia de uma maneira muito negativa.

Através da força do exército nipônico,
a Coréia foi dominada.
Oficialmente se tornou território japonês ultramarino
 no ano de 1910.

A ocupação japonesa fora cruel.
 Destruíram os arquétipos locais, 
tentaram apagar a cultura e identidade coreana.

Coreanos nem eram considerados gente
por parte dos invasores japoneses.

Período sombrio e de muita tristeza, 
o povo coreano se viu 
subjugado, explorado e violentado.


Pode-se dizer que japoneses foram
tão ou mais cruéis
que os nazistas alemães.
Nos tempos da 2ª guerra mundial 
coreanos foram forçados a lutar pelo Japão.
Recebiam sempre as piores e mais perigosas tarefas,
o mais baixo tratamento.



Mais de 200 mil coreanas se tornaram 
escravas sexuais das tropas japonesas, 
"as mulheres de conforto".

Defenderam o Japão pois eram obrigados a defender 
o país que odiavam.

 Agosto de 1945 traz a derrota japonesa.

Coreanos exultam, 
estavam libertos dos japoneses.

Mas infelizmente, até hoje, a Coréia não é um país único.

Quem sabe um dia voltam a sê-lo.


Enquanto isso o ódio segue,
ferida que não se cura,
dor que não se esquece nem perdoa.